domingo, 13 de abril de 2014

Amor por inteiro

É engraçado como o ser humano pode se apegar a outro ser humano. Digo, nós não temos tudo o que precisamos? A evolução ou Deus, como queiram, fez o ser humano anatomicamente perfeito. Nós temos tudo o que precisamos para relativamente sobreviver sozinhos. Temos olhos para enxergar, ouvidos para ouvir, uma boca para se alimentar, nariz para respirar. Dizem que é errado sentir que outra pessoa nos completa. Temos que ser autossuficientes. A verdade é que na teoria isso é muito, muito mais simples. 

Eu só sei que a coisa é mágica. Aquelas coisas que acontecem sem hora nem lugar, sem uma pessoa certa. Simplesmente acontecem. No começo você tenta lutar contra si mesmo e pensa "isso não vai acontecer, não está acontecendo, eu não vou deixar''. Se convence de que é apenas afeto, carinho, consideração. Mas daí chega uma hora que você cai na real e percebe a grandeza do seu sentimento. "Eu o amo". E daí, bom... O estrago está feito. Você se apega a gestos, palavras, sensações, gostos, toques, aromas. Tudo em relação ao outro se torna atraente, se torna absurdamente viciante. A companhia te traz um estado de satisfação tão grande... Você se sente protegida, se sente acolhida, se sente a pessoa mais realizada e feliz do mundo. Sua maior vontade é dizer: "não vai embora nunca mais, fica comigo, eu quero ficar assim pra sempre". Você ama com todas as suas forças. Ama de corpo e alma. Ama tanto que mal cabe dentro do seu peito.

Não, meus amigos, isso não se chama dependência. Se chama amor. Se chama vontade do outro. Nada parece tão ridículo quanto a ideia de ficar longe daquela pessoa que roubou seu coração. Poxa vida, isso deveria ser proibido por lei! Mas o ser humano, assim como se apaixona perdidamente, pode superar. Pode conviver. Pode acostumar. Acostumar com a ausência, acostumar com a falta. E daí, talvez o tempo delete tudo. Ou talvez não. Talvez deixe ainda mais vivo. E daí a gente vive, sempre na espera que um dia tudo seja melhor. Na espera que um dia possamos viver nosso amor por inteiro.

Nenhum comentário: