domingo, 17 de fevereiro de 2013

AAAAAAAAH!

Venho aqui hoje nesse meu pequeno espaço na internet para tratar de um assunto que muitas vezes acaba passando despercebido e afeta um grande número de pessoas. Bem, para começar, quero contar a história de um pequeno menino de aproximadamente sete ou oito anos de idade que possui um medo um tanto incomum. Eu não tenho certeza se foi por conta de algum acontecimento traumático, mas ele tem um medo irracional de galinhas. Isso mesmo, galinhas. Ele e sua família frequentam o sítio do meu pai há bastante tempo, e sempre é a mesma história: o coitadinho passa o dia recolhido dentro de casa ou quando fica no pátio, vive olhando atentamente para todos os lados, já que as galinhas andam livremente por lá. Isso pode até parecer engraçado a primeira vista, mas trata-se exatamente do que eu quero falar aqui hoje. E a afirmação desse menino que ainda nem completou uma década de vida pode ajudar a começar o raciocínio desta postagem: ''Eu não queria ter medo de galinhas, mas eu infelizmente tenho. '' 

Ter aversão, sentir medo irracional e exagerado por algum animal, objeto ou situação é o que caracteriza a fobia, e muitos hoje em dia até mesmo possuem esse transtorno e não sabem. Na visão de inúmeras pessoas, sempre é bobagem, e isso é uma das coisas que mais prejudica aqueles que têm esse problema. Começando do ponto de vista do fóbico: quem acha que a pessoa sente medo porque quer, está redondamente enganado. Ninguém escolhe ter medo de cobras, avião, trovões, etc. Eu não sou psicóloga e muito menos pretendo exercer esse papel algum dia, mas o que eu sei é que muitas vezes alguma experiência traumática do passado pode contribuir muito para a pessoa vir a desenvolver fobia por algo, ou simplesmente isso não precisa acontecer para que ela tenha um comportamento fóbico. Porém, uma coisa é certa: quem tem fobia automaticamente tem vergonha, medo da reprovação dos outros, medo de chacotas e uma série de outras coisas que precisam ser entendidas. Quando a pessoa entra em contato com a situação/objeto/animal temido, ela se torna incapaz de controlar o seu interior, e isso gera crises de pânico ocorrendo palpitações, suor, tremedeira, enjoo, formigamento nos braços e uma série de outros sintomas desagradáveis. 

Partindo para o ponto de vista das pessoas que não possuem fobias, é realmente muito difícil entender o porquê de uma pessoa ter tanto medo de algo, afinal, elas nunca passaram por tal experiência e não sabem o que se passa na cabeça do fóbico. Eu digo e repito: só quem tem alguma fobia consegue entender perfeitamente outra que também possua. O problema é que muitos infelizmente não respeitam esse problema e isso agrava muito a situação de uma pessoa que tem esse transtorno. Eu acho que fobia é um assunto sério e deveria ser discutido com mais frequência nos meios de comunicação. Isso pode parecer estúpido, mas por que sempre abordam temas como prostituição, violência contra mulher e alcoolismo nas telenovelas e nunca criaram um personagem fóbico? Também é um problema que pode ter muitas consequências ruins. 

Por isso, não fóbicos: tenham respeito e procurem entender a situação de quem passa por esse problema que, sim, é muito sério e pode atrapalhar muito a vida social de alguém. 
Fóbicos: procurem ajuda, psicoterapia e profissionais da saúde mental, mas o mais importante de tudo - exijam respeito por parte dos outros.

Para finalizar, deixo uma lista de fobias de A a Z para vocês verem como há medos estranhos nesse mundo!

Nenhum comentário: