terça-feira, 31 de julho de 2012

Gêmeos Siameses: Unidos Para Sempre

É muito comum nós falarmos que duas pessoas são tão próximas que parecem ser ''ligadas'' ou ''coladas'' (metaforicamente falando, é claro). Mas, imagine se isso se tornasse realidade? É o que acontece com os gêmeos xifópagos, ou mais conhecidos como gêmeos siameses. Creio que todo mundo já ouviu falar na televisão ou na internet de algum caso de duas crianças que nasceram unidas seja pelo crânio, tórax ou até mesmo nádegas, e ficou se perguntando como e por que isso acontece. Calma que a Vitória vai explicar!

Primeiramente, é preciso entender os dois tipos de gêmeos que existem: bivitelinos e univitelinos. Os gêmeos bivitelinos são também conhecidos como ''gêmeos fraternos'' e resultam da fecundação de dois óvulos por dois espermatozoides. Eles não são idênticos e podem ser de sexos diferentes. Já os gêmeos univitelinos ou ''monozigóticos'', resultam da fecundação de apenas um só óvulo por um espermatozoide. Mas como são formadas duas pessoas? É simples: esse óvulo fecundado se divide em duas células completas e dá origem aos gêmeos idênticos que são sempre do mesmo sexo. E é aqui que mora o problema e a chance de serem produzidos gêmeos siameses: quando o zigoto ainda não está dividido por completo e o processo simplesmente para, vão ser originados gêmeos ligados por alguma parte do corpo ou ainda dividindo uma. É como se você estivesse fazendo um download e quando está em 60% a sua internet cai e o arquivo não chega corretamente. Comparação grotesca, mas é assim mesmo que acontece. É estimado que a cada 100 mil nascimentos, ocorre 1 caso de gêmeos siameses. Deu pra entender a minha rápida aula de biologia? Haha. xD

Alguém aqui já parou para pensar de onde veio o termo ''siameses''? A história é a seguinte: esse nome é usado em homenagem aos gêmeos Chang e Eng, que nasceram em Sião (hoje a Tailândia), no ano de 1811. Eles eram ligados pelo apêndice xifoide, localizado entre o peito e o abdômen.


Na Europa Medieval, gêmeos siameses eram sacrificados ao nascer pelo fato de serem considerados aberrações, o que francamente é sem sentido algum. Nenhuma criança escolhe vir ao mundo nessas condições e merece ter o direito de viver como qualquer outra. Hoje em dia, graças ao avanço da medicina e da tecnologia, é possível separar gêmeos xifópagos através de cirurgia, mas isso implica em examinar as duas crianças logo após o nascimento para saber se há um órgão vital para cada gêmeo (coração e fígado) e se eles têm condições de sobreviver separadamente. 

Clique aqui para assistir um interessante documentário das gêmeas Abigail e Brittany Hensel. Elas são dicéfalas, ou seja, apresentam um corpo unido com duas cabeças e pescoços separados.

(Esse assunto foi uma dica de um(a) leitor(a)! Se você também quer indicar algum tema para ser falado, deixe um comentário neste post ou mande uma pergunta no Ask.)

Nenhum comentário: